O conceito evoluiu a partir da necessidade que a instituição “Câmara Municipal” sente em envolver os munícipes nos destinos do concelho.

É importante criar uma cultura de autenticidade e paixão em volta da marca, uma cultura relacionada ao coração, mostrar que temos compromisso apenas com uma pessoa – consigo.

É preciso criar um triângulo sentimental: O Município, enquanto instituição que serve as pessoas, os farenses e o concelho na sua plenitude.

O verbo “evoluir” assume-se como a chave do novo caminho. “Faro – Evoluímos consigo” não é mais do que uma constatação de que estamos no caminho certo com as pessoas certas. Dá-nos uma perspectiva de movimento, de crescimento, de evolução, de futuro, de muito trabalho pela frente. Posiciona-nos. Quebra-se a ideia de que um município é estático que presta serviços e que tudo pára aí e que não existe intercâmbio de ideias e co-responsabilização na actuação das personagens.
Traduz evolução mas com dependência daqueles com quem e para quem trabalhamos. Contamos com cada um dos farenses para crescer e para evoluir e esta evolução é transversal.
Em Faro evoluímos consigo no desporto, na cultura, na área social, na relação entre a instituição e os farenses… evoluir… evoluir…
O evoluir traduz também ambição na procura de respostas para os nossos problemas, na definição de novas metas. Mas ambição sustentada porque para evoluirmos temos que passar por transformações sucessivas. E são essas transformações que nos permitem crescer quer como município, quer como munícipes. Evoluir com ambição, responsabilidade, maturidade e união. União entre o município – instituição e os farenses.

“Faro – Evoluimos consigo” porque são as pessoas que nos motivam, nos “guiam” e nos “questionam”. Evoluimos consigo e para si!